A história do Shar Pei

A incerteza sobre a procedência da minha raça é igual a de muitos outros cães. Uns acham que sou descendente do Chow Chow, por ter a língua azul e alguma semelhança com essa raça, mas tudo indica que fui desenvolvido primeiramente no Tibete há mais de 20 séculos, o que, no mínimo, tem que haver muito respeito com a minha raça.

A história diz que os primeiros exemplares da minha raça eram enormes. Existem algumas obras no tempo da Dinastia Han que faz parte dos grandes períodos da história da China, que falam sobre o a minha raça.

Para que você que pretende me adotar me conheça um pouco mais, saiba que fui um grande caçador de javalis. Imagine só, com toda essa minha pele, que é uma forte característica da minha raça, não tinha como uma presa me morder e isso era uma ajuda e tanto para eu vencer qualquer combate. O que não era nada interessante é o fato de me utilizarem para combates e lutas desleais, costume popular na China, e isso quase acabou com a minha raça. A proibição foi severa e duramente vistoriada pelos soldados de Mao Tse Tung. Algumas exceções foram feitas para os camponeses que utilizavam minha raça para caça e para quem estivesse disposto a pagar uma multa fenomenal para ter um cão como eu. Se fossem desobedecidos era execução na certa. A fome do povo foi alimentada com meus ancestrais e eles próprios morriam por não ter o que comer também. Foi assim que minha raça diminui no tamanho, pois nascíamos fracos em virtude de nossos pais estarem igualmente fracos. Uma história muito triste.

Posso dizer que eu sou um sobrevivente e muito me orgulho disso.